Entenda como a tecnologia está mudando o futuro dos cadeirantes

Uma em cada sete pessoas no mundo vive com alguma deficiência — muita gente, se pensarmos que isso equivale a mais de um bilhão, não é? Esses são dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que refletem a urgência de pensar em acessibilidade, inclusão e mobilidade urbana para o futuro dos cadeirantes.

A tecnologia, nesse sentido, é uma ferramenta incrível que melhora a vida de todos, inclusive das pessoas com deficiência. Hoje, várias organizações — desde aquelas sem fins lucrativos até os negócios sociais — estão investindo pesado em soluções tecnológicas assistivas para ampliar cada vez mais a qualidade de vida dessa parcela da população.

Mas como os meios tecnológicos podem, de fato, mudar o futuro dos cadeirantes? É isso que você vai descobrir a partir de agora, dando sequência à leitura. Trouxemos várias formas criativas e inteligentes de repensar a mobilidade das pessoas com deficiência. Confira!

Soluções móveis inclusivas

As pessoas que utilizam cadeiras de rodas ou apresentam qualquer outra dificuldade para locomoção passam por várias situações indesejadas no seu dia a dia. Afinal, nem todos os lugares têm as adaptações necessárias para serem acessíveis — uma triste realidade que, felizmente, já está sendo revista por meio de algumas iniciativas, mas ainda não abrange toda a sociedade.

O problema é que, geralmente, o usuário de cadeira de rodas nem sempre sabe se consegue entrar, circular ou simplesmente usar o banheiro em um determinado local. Diante desse cenário, várias soluções tecnológicas vêm sendo desenvolvidas para tornar mais fácil a rotina dessas pessoas. Os aplicativos móveis inclusivos são algumas delas. Listamos alguns exemplos a seguir.

Wheelmap

Quem já convive com o Google Maps sabe que a funcionalidade é uma verdadeira mão na roda. Trocadilhos à parte, agora a gigante da internet está desenvolvendo uma tecnologia de back-end. Isto é, aplicativos e sites que auxiliam as pessoas com deficiência a traçar rotas mais acessíveis, além de planejar e aproveitar melhor suas viagens, passeios e a rotina diária, por exemplo.

Basicamente, o serviço identifica todos os lugares adaptados para cadeirantes. Chamado de Wheelmap, ele trabalha para disponibilizar esses dados aos usuários de mais de um milhão de locais do mundo todo. Assim, o futuro dos cadeirantes é mais promissor em relação à mobilidade urbana, já que será possível identificar as melhores rotas em espaços públicos, eventos e, até mesmo, lugares privados que também já criaram a consciência social do respeito às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Eu chego lá

Outras iniciativas semelhantes já vêm sendo usadas, como o Eu Chego Lá, que trabalha a partir da mesma ideia do Google. O interessante, nesse caso, é que a tecnologia é colaborativa, ou seja, pessoas físicas e empresas também podem alimentar o site com informações de novos lugares acessíveis, trocando experiências e fornecendo feedbacks.

Guia de Rodas

Outra startup brasileira que investe no mesmo segmento é a Guia de Rodas. Ela também tem um aplicativo — gratuito — que mapeia mundialmente a acessibilidade de vários locais. Além de ser possível fazer consultas, existe a opção de avaliar os lugares e compartilhar essas informações. O site, inclusive, foi o vencedor do World Summit Award (WSA) em 2017 como a melhor solução móvel inclusiva do planeta.

Carros autônomos

A indústria automobilística também vem se empenhando bastante para lançar veículos cada vez mais adaptados às pessoas com deficiência de modo que elas possam se deslocar com mais segurança e, o melhor de tudo, autonomia.

Já temos, por exemplo, alguns carros equipados com recursos de internet para que o motorista tenha acesso a informações diversas em tempo real — condições do trânsito, como notificações de possíveis acidentes na pista, previsão do tempo e o conhecido GPS.

Todas essas facilidades oferecem uma interatividade nunca pensada antes. Porém, em Londres, estima-se que, até 2025, um a cada três carros fará as suas rotas de forma autônoma. Ou seja, esses veículos serão inteligentes o suficiente para transitar por aí sem intervenção humana. Logo, a pessoa com deficiência vai poder se locomover sem ajuda ou outras complicações.

As previsões são ainda mais promissoras, porque até mesmo o transporte público será repensado. Na Europa, por exemplo, já foram testados ônibus autônomos: na Suécia, foi utilizado um protótipo com uma velocidade de 24 quilômetros por hora e rampas de acesso para pessoas com problemas de mobilidade. Já na Espanha, um transporte público inteligente também circulou pelas rotas ofertadas normalmente, disponibilizando conteúdo multimídia e outros serviços digitais em seu interior.

Kenguru Electric Car

Ainda sobre os carros pensados tecnologicamente a fim de atender pessoas com deficiência, temos o Kenguru Electric Car, criado na Inglaterra. Ele foi desenvolvido com várias adaptações e modificações para proporcionar o máximo de acessibilidade aos seus usuários. No entanto, a maior vantagem do produto é que a pessoa pode entrar no veículo sem sair da sua cadeira de rodas.

Além de ser um carro elétrico, ecologicamente sustentável, ele é bastante seguro, uma vez que tem uma velocidade de 25 milhas por hora — limite que é permitido legalmente no país em questão para esse tipo de carro. A proposta é inovadora e oferece aos usuários uma maneira muito mais prática e rápida de transitar na cidade.

Todas essas tecnologias podem ser chamadas de “tecnologias assistivas”. O termo não é tão novo assim, mas só agora vem sendo amplamente usado de forma clara e correta para tratar de toda a gama de serviços e recursos que contribuem para ampliar as habilidades funcionais da população com deficiência. Isso envolve melhorias nas áreas de educação, segurança, lazer e, é claro, na acessibilidade em locais públicos e privados.

Nesse sentido, desde a mobilidade urbana até os carros inteligentes, todas essas estratégias e novas práticas citadas neste post também são consideradas assistivas, promovendo uma vida mais autônoma, independente e com inclusão às pessoas que fazem uso de cadeiras de rodas. O futuro dos cadeirantes, certamente, será (e já está sendo) bem melhor com todas essas soluções tecnológicas.

Você já conhecia alguma dessas tecnologias? Continue conosco aqui no blog e descubra também a importância da tecnologia assistiva no trabalho!

Receba nossos conteúdos por e-mail e amplie seus horizontes!

É só cadastrar seu e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.