Como começar o meu negócio: 7 opções para PCD empreender

Como começar o meu negócio: 7 opções para PCDs que querem empreender

Tem crescido, nos últimos anos, o número de pessoas que buscam no empreendedorismo a oportunidade de ter uma fonte de renda. Por ser um modelo de trabalho mais flexível, essa pode ser uma boa opção para pessoas com deficiência.

Trabalhar em casa, com flexibilidade de horário e trabalhando com aquilo que se tem mais afinidade. Por essas, e outras vantagens, que esse seguimento pode ser um bom exercícios para pessoas cuja a limitação não permite a participação em rotinas de empresas, por exemplo.

Para ajudar você a desenvolver o empreendedorismo, preparamos este guia. Aqui, você vai encontrar dicas sobre os principais desafios na hora de empreender e alguma opções fáceis para você começar a planejar. Continue a leitura e saiba mais!

Desafios iniciais

Empreender é uma atividade que envolve certo risco para qualquer pessoa. Isso porque é preciso concorrer com outros empreendedores e, muitas vezes, com grandes empresas.

Um bom investimento para quem está começando é a formação em cursos preparatórios. O SEBRAE, por exemplo, oferece diversas opções gratuitas em várias cidades. Sendo assim, informe-se sobre o que você pode fazer para ampliar seus conhecimentos sobre empreendedorismo ou sobre sua área.

Além de adquirir conhecimentos e experiência, o principal segredo do sucesso é acreditar muito no seu produto e na sua capacidade. Se você realmente acreditar no potencial do seu trabalho, é muito mais fácil anunciá-lo e conquistar clientes.

Quais as opções?

Antes de abrir uma empresa, é preciso fazer um bom planejamento inicial: calcular os custos, pensar em possíveis sócios, levar em conta o que será necessário para fazer a formalização (se for o caso) e calcular o valor que será investido inicialmente.

Caso você não tenha nenhum dinheiro para investir, as melhores opções são trabalhar para a Uber, Rappi ou como freelancer. Nesses casos, em vez de pensar em valores investidos, deve-se considerar a demanda.

Para ter mais oportunidades, você pode ampliar suas áreas de atuação: habilitando-se para escrever sobre mais assuntos, no caso de redator freelancer; ou cadastrando-se nas concorrentes do Uber, como 99taxis e Cabify.

Confira algumas opções para você se inspirar:

Trabalhos manuais

Se você tem talento para fazer artesanato, bordado, ou mesmo doces, por que não transformar isso em uma fonte de renda? Produtos personalizados e feitos com material de qualidade sempre têm espaço no mercado.

Você pode começar vendendo para seus amigos e pessoas próximas. Assim, você começa a encaminhar o seu negócio e cria uma identidade para os seus produtos.

Caso você note que as vendas estão expandindo, considere criar uma pequena loja online. Hoje em dia, são muitas as plataformas gratuitas para vendas focadas em produtos manuais, como a Tanlup e o Elo7.

Uber

Uber é uma empresa de transporte individual que ganhou força no Brasil e no mundo. Através de um aplicativo para celular, os clientes podem indicar qual rota pretendem fazer e a Uber redireciona seu pedido para os motoristas associados.

Os motoristas dirigem o próprio carro nos horários que preferirem e não são vinculados exclusivamente à empresa, podendo ter outros empregos e atividades. A faixa de preços cobrada é preestabelecida pelo aplicativo, e varia conforme o trânsito, horário, demanda, etc;

A Uber possibilita que pessoas com dificuldade motora ou surdez possam ser motoristas associados. E até mesmo possui algumas facilitações para esses casos.

Para pessoas com deficiência motora, é possível utilizar o próprio carro adaptado, ao contrário do que ocorre com táxis. Para surdos-mudos, o aplicativo mostra um aviso ao cliente e todos os dados importantes são inseridos por texto e mapas no celular.

Rappi

Rappi é um aplicativo cuja proposta é fornecer serviços de entregador. A abrangência dos serviços é bem ampla e pode incluir, compras no supermercado, na farmácia, entrega de documentos e etc. Em seu site, seus serviços são descritos como “A Rappi é um aplicativo que entrega qualquer coisa”.

Se você mora em uma grande cidade, gosta de sair de casa, tem seu próprio veículo e uma boa autonomia de movimentos, esse tipo de trabalho pode ser uma boa opção.

A Rappi chegou ao Brasil há quase dois anos e já atende 10 cidades. São elas: São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza.

Digital influencer

“Influenciadores digitais” são os donos de blogs e canais do YouTube, que produzem conteúdo para a internet. Embora já existam muitas páginas desse tipo, sempre há espaço para quem tem algo novo a oferecer.

É possível encontrar alguns influenciadores digitais que são pessoas com deficiência, como a autora do blog Make sobre Rodas. A maioria dos digital influencers ensinam coisas que sabem fazer, tiram dúvidas dos seguidores etc.

Sua fonte de renda vem do Google AdSense, que paga por visualizações de anúncios em vídeos e blogposts, e de publieditoriais (que são campanhas publicitárias veiculadas no canal, blog e redes sociais).

Empreendedorismo digital

Se você não se acha carismático o bastante para tentar uma carreira de digital influencer, ainda há inúmeras maneiras de empreender por meio da Internet.

Você pode vender soluções digitais para empresas, atuar como webdesigner, trabalhar remotamente com edição de vídeos, etc. Existem muitas áreas a serem exploradas no universo digital.

Redação e tradução

Se você é bom com textos, pode trabalhar em casa, como redator freelancer. Na internet você encontra algumas plataformas que trabalham com esse tipo de criação de conteúdo.

Se cadastrando nesses sites, você pode escolher os trabalhos que fará, podendo escrever somente sobre assuntos na sua área de conhecimento.

Não é preciso pagar nenhuma mensalidade para a empresa, nem há um mínimo de textos, bastando entregar os trabalhos no prazo e com qualidade.

Para quem tem proficiência em outros idiomas, ainda é possível encontrar online diversas empresas que contratam tradutores freelancers. A demanda costuma ser mais ampla para línguas mais incomuns, como alemão, japonês e russo.

Vendas online

Luana Cavalcanti é formada em Moda, mas, por ter paralisia cerebral, não encontrou oportunidades de emprego na sua área. Sem se deixar abater pelos obstáculos, decidiu empreender, criando a grife de roupas acessíveis “Sweet Angels“. Sua marca é focada em roupas com fechamento fácil, que facilitam na hora de se vestir e ir ao banheiro.

Assim como Luana, você pode criar seus próprios produtos para vender, ou mesmo fazer revenda do que considerar interessante. Nesse caso, você pode optar por juntar-se a amigos ou familiares, formando parcerias para impulsionar o seu negócio.

Agora que você já sabe como uma pessoa com deficiência pode trabalhar por conta própria, que tal conferir um dos nossos conteúdos gratuitos? Você vai adorar nosso e-book sobre materiais que ajudam a vencer as barreiras do cotidiano!

Receba nossos conteúdos por e-mail e amplie seus horizontes!

É só cadastrar seu e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

    alguma coisa sobre financiamentos

      Olá Ruy, como vai?
      Infelizmente não temos propriedade nesse assunto. Aconselhamos você a procurar um local especializado, dessa forma pode esclarecer todas ás suas dúvidas para que não gere nenhum problema e de tudo certo para o seu empreendimento!!!

      Boa sorte, abraços! 😀

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.