Conheça o esporte Arco Paralímpico

Como funciona o tiro com arco paralímpico? Saiba tudo sobre esse esporte!

Que tal conhecer um pouco mais sobre uma modalidade esportiva bastante interessante, mas que é pouco comentada: o tiro com arco paralímpico?

Essa modalidade pode ser praticada por pessoas com variados tipos de deficiência, e é organizado em diferentes categorias. Se você ficou curioso sobre essa atividade, confira mais sobre a história desse esporte, suas regras e muito mais.

Um pouco da história

O tiro com arco era um esporte popular na Inglaterra, e em 1948, surgiram os primeiros torneios da modalidade paralímpica. A adaptação desse esporte serviu como método de reintegração às pessoas que haviam perdido seus membros durante a guerra.

Assim, quando houve a primeira edição dos Jogos Paralímpicos, em Roma no ano de 1960, já havia a modalidade de tiro com arco. Porém, a competição só era disputada entre os homens. Apenas em 1976, nas Olimpíadas de Toronto, é que as mulheres foram permitidas a participar. As categorias mistas duraram pouco tempo, e logo deram lugar às competições femininas e masculinas, separadamente.

Outro momento importante aconteceu nas Olimpíadas — não paraolímpicas — de 1992, em Barcelona. Nela, o atleta paralímpico espanhol de tiro com arco, Antonio Rebollo, disparou uma flecha em chamas que acendeu a pira olímpica, protagonizando um dos momentos mais memoráveis da história do esporte.

Entenda a modalidade

O tiro com arco paralímpico é uma modalidade bastante inclusiva. Ela pode ser praticada por atletas com amputações, paralisia, paralisia cerebral, lesões medulares, perda de força muscular e doenças progressivas.

De acordo com a categoria, o atleta pode atirar sentado, de pé ou em uma cadeira de rodas. Inclusive, alguns atiram apenas com os pés, devido a amputações ou à impossibilidade de realizar movimentos com os membros superiores.

Para esse esporte, utiliza-se um arco recurvo, formado por corda, punho e lâminas. O alvo tem diâmetro de 1,22 m e é composto por 10 círculos concêntricos, que são as faixas de pontuação. Quanto mais próximo do círculo central o competidor acertar, mais ele pontua. Os pontos vão de um a dez, e o alvo fica a 70m do atirador.

Veja quais são as categorias

Assim como em todo esporte adaptado, o tipo paralímpico possui diferentes categorias que agrupam determinados tipos de deficiência. São elas: a ARST, ARW1 e ARW2.

ARST

A categoria ARST é o tiro com arco em pé — a sigla vem de Archery Standing (arquearia em pé), em inglês. Ele contempla todos os atletas que não apresentam nenhum grau de comprometimento nos braços.

Apesar do nome, caso o atleta tenha perda da força nas pernas ou qualquer outro problema que o impossibilite ficar em pé, o tiro pode ser feito sentado em uma cadeira normal (e não de rodas), desde que os pés fiquem apoiados no chão.

ARW1

O nome desta categoria vem de Archery on Wheelchair (arqueria na cadeira de rodas), e todos os arqueiros participantes têm tetraplegia (deficiência nos dois braços e pernas).

A deficiência pode ser comprometimento da mobilidade ou amputação, em que os atletas têm pouco controle dos movimentos dos membros superiores e inferiores e do tronco. Essa é a categoria mais desafiadora do tiro com arco paralímpico. E os participantes precisam, necessariamente, atirar sentados em uma cadeira de rodas própria para esportes.

ARW2

A categoria ARW2 também deriva de Archery on Wheelchair, mas, nesse caso, os atletas são paraplégicos.

No caso dos arqueiros dessa categoria, a perda é a da mobilidade das pernas. E os atletas utilizam suas cadeira de rodas do dia-a-dia para praticarem o esporte.

Pode-se dizer que a categoria ARW2 é o oposto da categoria ARST.

Saiba que há cadeiras de rodas próprias

Para práticas esportivas é necessário ter uma cadeira de rodas especial. E apesar desse esporte não exigir muito movimento como o basquete paralímpico, por exemplo, a verdade é que a mera movimentação em quadras, ginásios etc. causa um maior desgaste à cadeira de uso diário.

Ou seja, a cadeira de rodas esportiva é uma forma de se manter mais seguro, com maior mobilidade para os esportes e de preservar a sua cadeira de rodas comum para que ela dure por mais tempo.

Ela se diferencia da comum por ser mais leve, ter rodas diferentes e uma maior resistência a impactos. Se necessário, ela pode ter uma quinta roda para dar mais estabilidade e segurança na hora de fazer manobras rápidas.

Garantir a segurança e que você não caia da cadeira durante a prática esportiva é muito importante. E, principalmente para quem tem tetraplegia, ou dificuldade em controlar o tronco, esse cuidado é ainda mais importante. Nesse caso, é fundamental utilizar, também, um cinto de segurança para cadeira de rodas.

Conheça os grandes nomes

Já mencionamos o arqueiro espanhol Antonio Rebollo que, além de ter participado da abertura dos Jogos Olímpicos, conquistou duas medalhas de prata e uma de bronze entre 1984 e 1992. Ele teve poliomielite na infância e disputava na categoria ARW2, pois suas pernas foram afetadas pela doença.

Além de Rebollo, alguns grandes nomes do tiro com arco paralímpico são o paranaense Andrey Muniz de Castro e a, também brasileira, Jane Karla Gogel. Ambos foram campeões mundiais e participaram de três olimpíadas.

Jane Karla começou sua carreira de atleta paralímpica em 2003 na equipe brasileira de tênis de mesa. Posteriormente, migrou para a arqueria, se tornando uma das maiores atletas femininas da categoria do mundo.

Andrey Muniz é paraplégico, devido a um acidente ocorrido em 1995, e disputa pela categoria ARW1. Ele disputa tanto categorias individuais quanto de equipes.

Outro nome de destaque é João Ivison Carneiro Silva, que vem conquistando diversos títulos nacionais nos últimos anos, e se prepara para representar o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio em 2020.

O tiro com arco paralímpico é um esporte que trabalha a concentração, o trabalho em equipe e ajuda o atleta ou praticante a superar desafios.

Se você gostou deste post, que tal assinar a nossa newsletter e receber mais conteúdo como este em primeira mão diretamente em seu e-mail?

Receba nossos conteúdos por e-mail e amplie seus horizontes!

É só cadastrar seu e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

    Olá!, Todo tipo de esportes são bons, mas tem pessoas que não podem, porque alguns a própria acessibilidade não ajuda, uns tem um tipo q pode outros não ok
    Abs.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.