7 tipos de atividades que pessoas com deficiência podem fazer

Todos sabem que o lazer é importante para a construção de uma vida de qualidade e com bem-estar. E, quando se fala em pessoas com deficiência, isso não é diferente. As atividades para eles vão desde esportes até hobbies, atividades lúdicas e outras práticas que visam melhorar sua condição física e psicológica.

De acordo com a Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência, do Ministério da Saúde, os ambientes públicos, coletivos e de lazer, bem como as cidades e as escolas, os serviços de saúde, os meios de transporte e todas as formas de comunicação e informação, devem ser pensadas visando facilitar a convivência e a participação de todos os cidadãos com igualdade de direitos.

Da mesma forma, a Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência garante a destinação de verbas do Ministério do Esporte para eventos paradesportivos e atividades de lazer, cultura e turismo que englobem todas as áreas da deficiência.

Como você pode notar, o acesso ao lazer, ao esporte e à cultura é um direito, além de ser fundamental para a promoção da saúde física e emocional. Conheça, neste post, 7 tipos de atividades que você pode fazer e ter mais qualidade de vida:

1. Esportes coletivos

Esses esportes são de grande importância e, por isso, foram adaptados para pessoas com deficiência. Rugby, futebol e basquete são alguns exemplos dessas modalidades. Entre outras coisas, a prática desses esportes permite a interação social e o compartilhamento de experiências e de histórias de superação.

Além disso, favorece a inclusão e a socialização, promovendo enormes benefícios emocionais para quem os pratica. Sem contar que o esporte, como atividade física, traz diversos benefícios para a saúde, como a melhoria das funções orgânicas e aumento da força e da resistência muscular.

2. Trekking

De acordo com o projeto Aventura Adaptada, que promove turismo de aventura acessível, qualquer pessoa com deficiência pode praticar turismo de aventura desde que sejam observados os requisitos mínimos para a realização das atividades:

  • peso;
  • altura;
  • capacidade cognitiva;
  • equipamentos adaptados;
  • técnicas voltadas para cada tipo de deficiência;
  • entre outros.

Ao participar de um programa de trekking, além da explosão de adrenalina, o participante se depara com lindas paisagens e adquire autonomia. Além disso, tem a oportunidade de conhecer novas pessoas, sendo uma oportunidade valiosa de interação. O trekking é uma atividade que promove o contato com a natureza, e isso é ótimo para a saúde e promoção do bem-estar. Além de calmante, é extremamente saudável.

Por isso, os parques nacionais, como do Ibirapuera e Villa Lobos, em São Paulo, estão sendo adaptados por meio de rampas para receber pessoas com deficiências físicas. No parque do Jaraguá, também em São Paulo, existe até um mirante adaptado para essas pessoas.

No Jardim Botânico de Curitiba, que é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, as pessoas com deficiência visual podem passear pelo Jardim das Sensações, que possui um trajeto sensorial feito por sementeiras com legendas em braille. Assim, elas podem tocar e apreciar os perfumes das mais variadas espécies botânicas.

3. Ioga

Ao praticar ioga, as pessoas com deficiência podem experimentar resultados como a conquista de consciência corporal, aumento de concentração e da força e relaxamento, que é adquirido por meio dos exercícios de respiração.

A prática é recomendada, inclusive, para pessoas com deficiência física, que podem fazer os exercícios sentados com a ajuda de um bom profissional. Os benefícios mais comuns dessa prática são:

  • ajuda a ter mais foco;
  • proporciona melhores noites de sono;
  • aumenta a força e a flexibilidade corporal;
  • alivia o estresse, a ansiedade e a tensão;
  • e trabalha a capacidade pulmonar.

4. Natação

Conhecida por ser um dos esportes mais completos que existe, a natação também pode ser praticada por pessoas de diversas deficiências, como paraplégicos, pessoas com deficiência visual e de paralisia cerebral.

Pode ser necessário orientação e acompanhamento, mas isso não representa um problema diante dos benefícios — físicos, terapêuticos e psicossociais — que esse esporte traz para a pessoa com deficiência. Entre os principais, podemos citar:

  • diminui o peso corporal;
  • estimula a socialização;
  • favorece a coordenação motora;
  • melhora a autoestima;
  • melhora a circulação;
  • oferece consciência corporal;
  • promove descontração e criatividade;
  • proporciona momentos de lazer;
  • reduz dores e espasmos musculares.

5. Dança

Considerada arte e esporte, a dança também é uma atividade que oferece inúmeros benefícios para as pessoas com deficiência.

Além de ser um ótimo exercício aeróbico, a música e os movimentos ajudam a desenvolver a criatividade e as capacidades motoras — elementos essenciais para as mudanças sociais e psicológicas.

Essa atividade é tão incrível que até mesmo as pessoas com deficiência auditiva tiram proveito dela, já que eles percebem a música por meio das vibrações sonoras que ela emite, tornando a experiência extremamente calmante.

A dança também cria momentos de convívio que melhoram a autoestima e o entusiasmo, sendo um fator favorável para a socialização e percepção de si mesmo. E não há limite de ritmos. Entre os mais conhecidos, podemos citar:

  • africanos;
  • anos 1950;
  • anos 1960;
  • anos 1970;
  • eletrônicos;
  • latinos;
  • e muitos outros.

6. Oficinas de arte

Por meio de oficinas de arte, é possível desenvolver habilidades manuais que permitem expandir a criatividade e a coordenação motora e ampliar a atenção e a concentração.

Essas oficinas também são fundamentais para a socialização e para o descobrimento de aptidões que podem se transformar em uma futura profissão.

A arte também leva as pessoas a trabalhar os sentimentos e a transformá-lo em um sujeito socialmente ativo e consciente do seu papel social. Outro fator que merece destaque é o desenvolvimento da autoestima positiva, tão importante na promoção da saúde e do bem-estar.

A leitura, que também é arte, deve fazer parte da vida de todos, e as pessoas com deficiência podem tirar o melhor proveito desse hobby. Seja de forma individual ou em grupo, ler dinamiza o raciocínio, oferece conhecimento e desenvolve a capacidade cognitiva.

Alguns exemplos de oficinas são:

  • artes literárias;
  • artesanato;
  • estamparia;
  • fotografia;
  • pintura em tela;
  • entre outras.

7. Artes marciais

Judô, karatê, kung-fu, jiu-jitsu e muay-thay são algumas das artes marciais adaptadas para pessoas com deficiência.

A prática dessas atividades oferece ao praticante não apenas a capacidade de defesa, mas a possibilidade de conhecer melhor o corpo e trabalhar o equilíbrio — físico, mental e espiritual —, fazendo com que ele se sinta mais confiante.

As artes marciais também ajudam no fortalecimento muscular e concedem mais disposição para quem as pratica. E, já que são exercícios completos, ajudam a manter a saúde em dia e o corpo sempre em forma.

Como você pode perceber, existem muitas formas de se manter ativo. As atividades mencionadas são ótimas opções para começar hoje mesmo a ter uma vida mais divertida e saudável. Veja qual é a sua preferência e busque informações na cidade onde você mora!

Agora que você conheceu algumas atividades para pessoas com deficiência, continue recebendo nossas atualizações nas redes sociais e saiba mais sobre inclusão e mobilidade. Estamos no Facebook e no YouTube!


Deixe um comentário sobre este conteúdo. O que você achou?