Divulgação Mattel

Barbie com cadeira de rodas e a representatividade PCD em brinquedos

A representatividade é importante, todo mundo sabe disso, mas quando falamos sobre o desenvolvimento de crianças os brinquedos são importantes para seu crescimento, o ato de brincar é necessário e para uma criança com deficiência não seria diferente. Porém, você já parou para pensar em como essa criança se sente com uma Barbie, a boneca mais famosa e comercializada do mundo, que caminha ou se movimenta sem dificuldades? 

A partir disso, a Mattel, fabricante da Barbie, apostou finalmente na diversidade, criando as versões da boneca, da linha Barbie Fashionista, de acordo com a realidade das pessoas, sendo assim, atendendo a reivindicação de mais representatividade em produtos.

Desta forma, nesse texto você verá sobre o impacto da Barbie, e também do Ken, com deficiência e como também sobre outras iniciativas de brinquedos que surgiram antes da Barbie, para representar as crianças com deficiência no Brasil e em outros países. 

Barbie e a linha de bonecas com diversidade

Em 2016 foi o ano do lançamento da nova linha da coleção Fashionista, a linha com diversidade de corpos. As bonecas tinham três biotipos corporais diferentes, 7 tonalidades de pele, 22 cores de olhos e 24 tipos de cabelo, demonstrando uma reviravolta da marca e finalmente representando como as pessoas realmente são.

Já em 2020 a coleção focou ainda mais na diversidade, dessa vez finalmente sobre as pessoas com deficiência. Com isso, foi lançado a Barbie com cadeira de rodas, uma boneca com vitiligo, uma sem cabelos e outra com uma prótese no lugar da perna. 

A linha de bonecas continua ampliando a gama de opções para as crianças, agora em 2022 foi lançada uma boneca com aparelho auditivo e a versão do Ken com vitiligo. Cabe ressaltar que apenas a linha fashionistas que possui os diversos tipos de bonecas e o valor varia em torno de R$ 270 a R$ 55 reais.

Divulgação Mattel

Conheça outras iniciativas de brinquedos PCDs 

A Mattel não foi pioneira ao lançar a Barbie com cadeira de rodas, com prótese e tudo mais, iniciativas pensando no conforto e na representação para crianças com deficiência já foram desenvolvidas anos antes e nesse texto vamos destacar algumas dessas iniciativas.

Makies: Makies Dolls

Em 2015 foi o período de quando começou as primeiras reivindicações de diversidade PCD para as crianças, houve uma campanha para a diversidade na indústria de brinquedos que acabou se tornando viral nas redes sociais com a hashtag #ToysLikeMe (brinquedos como eu).

A partir dessa campanha, a empresa britânica Makies criou uma linha de bonecas com deficiência, são bonecas com bengalas, deficiência auditiva, com marcas de cicatrizes e nascença, sendo o primeiro passo na busca de representatividade.

Reprodução Internet

Amigos da Inclusão

Já no Brasil, em 2018, a artesã Cristiane Mendonça fabrica bonecas de pano, até que recebeu um pedido para fazer um boneco de uma criança com síndrome de Down. A partir disso, Cristiane percebeu a importância de brinquedos que representassem crianças com deficiência e criou a linha Amigos da Inclusão, bonecas de pano que representam todos os tipos de deficiência.

Você pode conferir o trabalho de Cristiane em sua página do Facebook ou no perfil do Instagram @bottega_das_artes.

Reprodução Instagram @bottega_das_artes

A Doll Like Me

A artesã e empreendedora Amy Jandrisevits, fabrica bonecas que representam qualquer tipo de deficiência e doenças raras, com o objetivo de que as crianças se sintam orgulhosas do jeitinho que vieram ao mundo.

Desde pintas, manchas ou a ausência de membros, a Amy personaliza conforme cada criança, como os pedidos só aumentavam, ela começou a se dedicar exclusivamente para a confecção dessas bonecas e nomeou seu negócio como “A Doll Like Me” (uma boneca como eu) que se tornou um grande sucesso.

Em suas redes sociais como Facebook, Instagram e seu site há fotos das crianças com suas bonecas e toda a história da marca.

Reprodução: Facebook A Doll Like Me

Bom, citamos algumas iniciativas de outros países e no Brasil na confecção de bonecas que representam as crianças com deficiência. Obviamente existem outros projetos de inclusão que precisam ser incentivados, procure e ajude o empreendedorismo, além disso, a inclusão da Barbie de cadeira de rodas, também possui seu grande destaque positivo.

Gostou do texto? Compartilhe em todas as suas redes sociais, até mais! 

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.