Um profissional da saúde (gerontologia e geriatria) fazendo exames em uma pessoa idosa

Conheça as diferenças entre gerontologia e geriatria e quando usar cada especialidade

Quando uma pessoa realmente se torna idosa? Aos 60, 65, 70 anos? O conceito de velhice é muito subjetivo e flutua entre questões fisiológicas, psicológicas, sociais e culturais. Contudo, é importante considerar que estamos envelhecendo e, em algum momento de nossas vidas, precisaremos da gerontologia e geriatria.

Além do mais, nossos pais, amigos ou parentes próximos também podem requerer tal tipo de assistência. E com uma população idosa que cresce a cada ano — em seis anos já aumentou em 26%, segundo pesquisa —, a atuação de profissionais da saúde que estão envolvidos com o envelhecimento também vem ganhando mais espaço e destaque, com direito a algumas ramificações.

Por exemplo, apesar de geriatras e gerontologistas assistirem às pessoas idosas, existem algumas diferenças entre as áreas. Para que você não tenha dúvida a respeito dessas diferenciações, preparamos este post com os conceitos, especialidades e vantagens de cada uma: gerontologia e geriatria. Acompanhe!

O que é geriatria?

A especialidade médica da geriatria é responsável por tratar doenças típicas de pessoas idosas, sendo necessária uma abordagem ampla de avaliação clínica. Além de lidar com demências, dores articulares, osteoporose ou hipertensão arterial, por exemplo, o médico geriatra consegue identificar quadros específicos ocasionados, muitas das vezes, pelo envelhecimento do organismo.

Especialização

O geriatra é o médico com especialização em cuidado de pessoas idosas. Isso significa que ele pode atuar na área após ser aprovado em exame para obtenção do Título de Especialista em Geriatria da SBGG/AMB — Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia da Associação Médica Brasileira.

Profissionais

Se o médico se especializa em geriatria, ele passa a utilizar uma abordagem ampla de avaliação clínica. Ou seja, é capaz de assistir seus pacientes considerando aspectos psicossociais, além de testes, exames e escalas. Por isso, podemos afirmar que uma consulta geriátrica é um procedimento mais demorado e completo.

Campo de atuação

É curioso o fato de que, apesar dos censos demográficos apontarem o aumento da população idosa, o número de geriatras atuantes é pequeno. De todo modo, apesar da carência profissional, o médico especializado pode atuar em ambientes de saúde públicos e privados, em atendimentos hospitalares ou ambulatoriais, bem como casas geriátricas ou consultas domiciliares.

Cuidados

A geriatria trata problemas de múltiplas causas, como tendências a quedas, tonturas ou até mesmo perda de memória. Nesse sentido, o médico geriatra cuida da identificação dos problemas de saúde do idoso, traçando o tratamento mais adequado para doenças com possibilidade de cura ou não, como:

  • incontinência urinária;
  • distúrbios relacionados à memória;
  • hipertensão arterial;
  • quedas, falta de equilíbrio ou tontura;
  • imobilidade ou algum outro tipo de limitação física.

Papel na sociedade

Como você deve ter notado, a medicina geriátrica é essencial para a qualidade de vida da população idosa. É uma ciência que avança a cada dia, podendo proporcionar longevidade e bem-estar às pessoas que precisam de cuidados após a terceira idade.

O que é gerontologia?

Diferentemente do caso anterior, a gerontologia estuda especificamente o envelhecimento humano em seus aspectos mais amplos — sociais e psicológicos, além dos biológicos. É um campo profissional e científico multidimensional relacionado à velhice, preocupado em explicar o processo de envelhecimento e, com isso, antecipar patologias.

Especialização

O gerontologista é um profissional com formação superior em diversas áreas do conhecimento. Logo, ele pode ser da psicologia, do serviço social, da nutrição, da medicina e até mesmo do direito ou da terapia ocupacional. Entretanto, ele precisa ser titulado pela SBG, assim como no caso da geriatria — o Título de Especialista em Gerontologia.

É interessante destacar que, no Brasil, existe um curso superior específico para a área desde 2005. A primeira turma concluiu os estudos em 2008 na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP). Antes, esse tipo de especialização só era ministrado em nível de pós-graduação.

Profissionais

Por terem formação diversificada, os profissionais da área interagem não só entre si, mas também com os geriatras. Podemos destacar um mercado com terapeutas ocupacionais, nutricionistas, psicólogos, pedagogos, assistentes sociais, médicos e enfermeiros.

Todos eles podem trabalhar na prevenção, na ambientação, na reabilitação e com medidas paliativas, a essência é antecipar problemas e orientar as pessoas idosas a criar melhores condições para uma vida com mais qualidade.

Campo de atuação

O campo da Gerontologia é ampliado para qualquer profissional que em algum momento lidará com as questões e particularidades da saúde na terceira idade. Pela natureza multidisciplinar, há uma vasta área de atuação, como:

  • ensino e pesquisa;
  • promoção de saúde e educação comunitária;
  • reabilitação, manutenção e promoção de autonomia e independência do idoso;
  • apoio psicológico e reinserção social;
  • adaptação ambiental, atividades corporais e comportamentais; 
  • defesa dos direitos do idoso;
  • segurança; entre outros.

Cuidados

Os cuidados proporcionados pela gerontologia envolvem intervenções que antecipem problemas comuns ao envelhecimento, também é possível orientar a pessoa idosa em relação às condições adequadas para uma vida de qualidade, mais autônoma e com segurança — como o foco em espaços com condições ambientais condizentes com o quadro do paciente.

O objetivo é promover mais bem-estar ao idoso, abrangendo fatores não só físicos, mas também psíquicos, sociais e até mesmo espirituais. E a ideia pode se estender aos familiares, de forma que o resultado seja ainda melhor, com a compreensão e a participação de todos os que estão ao redor da pessoa idosa.

Papel na sociedade

Como é uma área que se preocupa com a prevenção, a assistência dada ao idoso é fundamental. Também vale ressaltar que o profissional pode desenvolver e executar ações de políticas públicas que visem o idoso, no âmbito da saúde e da assistência social.

Quais são as vantagens da gerontologia e geriatria?

Apesar da certa confusão que existe entre as duas áreas, agora você já sabe quais são as diferenças entre gerontologia e geriatria, certo? Todavia, ambas estudam e se empenham em trabalhar de perto com o envelhecimento de forma global.

Por se tratar de uma área voltada para o entendimento e outra para o tratamento de doenças específicas, há uma abrangência mais completa em relação à assistência da pessoa idosa. Com tratamentos clínicos direcionados e equipes multidisciplinares, por exemplo, fica mais fácil identificar problemas, prevenir ou tratar doenças de modo a prolongar e melhorar a vida do idoso.

Quando usar gerontologia e geriatria?

O ideal é procurar o melhor profissional e, de acordo com o quadro da pessoa idosa, contar com a assistência de ambas — gerontologia e geriatria. Assim, é possível ter um acompanhamento completo e eficaz, proporcionando o melhor tratamento, seja ele para prevenção, cura ou retardamento de qualquer doença ou limitação.

Viu como é simples identificar as diferenças entre gerontologia e geriatria? Você não vai ter mais dúvidas em relação ao que cada área oferece e, assim, fica mais fácil cuidar dos entes queridos e até mesmo se preparar para um envelhecimento sadio e de qualidade.

Gostou? Não pare por aqui! Continue conosco no blog e entenda como funciona o plano de saúde para pessoas com deficiência.

Receba novos conteúdos toda semana por e-mail!

É só cadastrar seu e-mail!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.