7 cuidados com cadeirantes durante o inverno

7 cuidados com o usuário de cadeira de rodas durante o inverno

Há quem considere o período de frio uma estação aconchegante e elegante. No entanto, é preciso redobrar os cuidados com o usuário de cadeiras de rodas no inverno, pois as baixas temperaturas contribuem para os problemas relacionados à circulação sanguínea. Essa condição afeta muitas pessoas, mas quem usa cadeira de rodas necessita de mais atenção.

Os problemas de má circulação podem apresentar sintomas, como dormência, varizes, dor e inchaço, especialmente nas pernas e nos pés. Por isso, nos dias mais frios, é preciso tomar algumas medidas para manter a fluidez do sangue nos membros inferiores.

Pensando nisso, separamos 7 cuidados com a pessoa com deficiência motora durante o inverno que evitarão os problemas relacionados à má circulação. Boa leitura!

Quais são os principais cuidados com o usuário de cadeiras de rodas no inverno para manter a sua saúde física?

1. Usar roupas quentes e confortáveis

Em geral, a temperatura do corpo humano, independentemente do ambiente, conserva-se em 36° C. No frio, o organismo sente a temperatura baixa por meio da medula, que encaminha a informação ao cérebro.

O cérebro é o responsável por enviar um comando para a contração dos vasos sanguíneos (que evita a perda de calor) e por comunicar a necessidade de se proteger do frio. A maioria das pessoas com lesão medular perde a capacidade de vasoconstrição e tem uma maior variação da temperatura corporal.

Por isso, os cuidados com a pessoa com deficiência motora devem ser redobrados no frio, pois o organismo não consegue obter as mensagens do cérebro de que a temperatura está baixa. Nessas condições, a pessoa pode ter uma queda na temperatura corporal e sofrer com dores nos membros inferiores.

Para evitar que isso aconteça, é importante usar roupas confortáveis e quentes. Peças apertadas, que restringem o fluxo sanguíneo, como meias, cintos e sapatos desconfortáveis, devem ser evitadas.

2. Fazer massagens nas pernas e nos pés

Os músculos do corpo auxiliam na contração dos vasos sanguíneos, mantendo o fluxo de sangue sempre constante e em uma única direção. Todavia, em pessoas que usam cadeira de rodas, essa contração é comprometida, o que faz com que os pés e as pernas fiquem inchados. Nesse quesito, fazer massagens relaxantes favorece a circulação.

O ideal é que elas sejam feitas com movimentos firmes ao longo das pernas e também dos pés. A movimentação deve ser realizada sempre de baixo para cima, ou seja, em direção ao coração. Isso estimula a saída do sangue dos vasos e também o fluxo linfático.

Além disso, é preciso pensar nesse momento como uma oportunidade de relaxamento e de socialização. No inverno, tendemos a ficar mais sozinhos e evitar situações que nos levam a sair de casa. Por esse motivo, é preciso evitar o isolamento, visto que ele causa diversas doenças mentais, como depressão e ansiedade.

Desse modo, se a massagem for feita por um familiar, é importante vê-la como uma oportunidade de afinar os laços. Então, desliguem-se dos aparelhos eletrônicos e foquem a conversa. Assim, vocês terão um momento de atenção plena.

Outra dica bem interessante, que serve para quando a pessoa com deficiência motora está fazendo massagens em si mesma, é pensar na prática como um momento de relaxamento. Assim, é interessante usar óleos essenciais com odores que você considera agradáveis e aproveitar esse momento para respirar profundamente, sentir o tato com as pontas dos dedos e a temperatura da pele etc.

3. Realizar alongamentos

Pessoas com deficiências motoras, especialmente as que têm lesão medular, costumam ter problemas com a circulação. A lesão na medula provoca mudanças na pressão arterial e na maneira como o sangue é bombeado pelo corpo.

Entenda que o estreitamento das artérias eleva a pressão arterial, enquanto a dilatação a diminui. Após a lesão, as artérias tendem a permanecer mais dilatadas, estabilizando a pressão a um nível mais baixo.

Essa baixa pressão, associada à falta de movimentação dos músculos das pernas, pode causar os inchaços, que aparecem pela falta de circulação do sangue. Dessa forma, fazer alongamentos é um dos cuidados mais indispensáveis com a pessoa com deficiência motora no inverno.

Como vimos, a contração da musculatura também contribui para o deslocamento do sangue dentro das veias. Dessa forma, associar as massagens com atividades físicas, além de diminuir as dores articulares e musculares, também contribui para a circulação e, consequentemente, diminui os inchaços.

4. Cuidar da alimentação

Manter uma alimentação adequada é um dos cuidados com a pessoa com deficiência motora que precisam ser implementados no dia a dia, especialmente durante as épocas mais frias. Pessoas com deficiências físicas têm tendência à redução do gasto calórico — ou seja, a ganhar peso.

Além do mais, é normal que, nessas pessoas, os músculos acabem atrofiando pela falta de movimentação. Esses fatores, associados à má alimentação, contribuem para o acúmulo de gordura, o que pode ocasionar problemas cardiovasculares e circulatórios.

Portanto, a dieta deve focar a redução de peso e o fortalecimento da musculatura: peixes, carnes brancas, ovos, frutas, folhas, vegetais e laticínios. Com o cardápio adequado e um estilo de vida saudável, o indivíduo previne doenças e tem uma melhor qualidade de vida.

5. Beber água com frequência

O excesso de sal é um dos grandes responsáveis pela retenção de líquidos e pelos inchaços. Por isso, manter-se hidratado é fundamental. O ideal é beber entre dois e três litros de água por dia. Esse hábito facilita a eliminação de toxinas e a melhora da circulação.

A água também é determinante na densidade do sangue e influencia o controle da pressão. Além disso, previne cãibras, melhora o funcionamento do intestino, transporta os nutrientes pelo corpo, aumenta a resistência física e é essencial para a hidratação da pele, que tende a ressecar no inverno.

6. Elevar as pernas

Até aqui, explicamos alguns dos principais motivos para a má circulação do sangue nas pernas, que tende a piorar no inverno. Um dos cuidados com o usuário de cadeira de rodas que melhoram esse problema é a elevação dos membros inferiores.

Quando os pés e tornozelos estão inchados, elevar as pernas é uma boa solução. Acomode-se na cama e estique-as na parede ou apenas coloque-as em cima de algumas almofadas. Fazer esse exercício por alguns minutos ajuda no retorno do sangue às veias.

Dormir com uma almofada alta sob os pés também é muito benéfico para diminuir o inchaço adquirido durante o dia.

7. Usar meias de compressão

O uso das meias de compressão é indicado para minimizar problemas de circulação sanguínea, pois elas ajudam o sangue a retornar dos pés para o coração. Elas funcionam como uma bomba que age contra a força da gravidade e auxilia o regresso do sangue.

Existem vários tipos de meias de compressão, de modo que umas cobrem apenas os pés e as pernas, e outras, até a coxa. Além do mais, elas têm diferentes níveis de compressão e, por isso, devem ser usadas apenas com indicação médica.

Quais os cuidados com o usuário de cadeira de rodas no inverno em relação à saúde mental?

O inverno pode ser um momento que traz bastante sofrimento mental para a pessoa com deficiência. Afinal, ela sente que sua deficiência física impede o autocuidado adequado e a torna mais dependente de outras pessoas. Entenda mais abaixo:

  • vestir determinadas roupas de inverno pode ser uma tarefa mais complicada, pois elas exigem mais força e firmeza. Então, os déficits motores se tornam mais limitantes. Desse modo, é interessante escolher peças mais flexíveis e voltadas para as necessidades dos usuários de cadeiras de rodas;
  • frequentemente, a pessoa precisa fazer adaptações na climatização, especialmente durante a noite. Então, tarefas aparentemente simples, como fechar uma janela, buscar uma roupa de cama ou ir ao banheiro, tornam-se potenciais fontes de insatisfação;
  • além disso, a redução da incidência dos raios do sol e a temperatura mais baixa afetam naturalmente o humor de qualquer pessoa. Isso pode comprometer momentaneamente a resiliência do usuário de cadeira de rodas.

Nesse sentido, algumas dicas são bem interessantes e devem ser adotadas pelas famílias das pessoas com deficiência motora. Confira a seguir!

Qual a importância de uma casa adaptada no inverno?

Há medidas que não exigem nenhuma reforma ou um gasto muito elevado. São apenas mudanças na disposição dos móveis e na facilitação do acesso, como:

  • deixar roupas de cama para o frio próximas à cama do usuário de cadeira de rodas para que ele não precise se locomover para pegá-las;
  • colocar uma mesa de cabeceira com acessórios para o frio, como meias, luvas e gorros;
  • mudar a pessoa com deficiência para quartos mais próximos aos banheiros;
  • se for confortável para a pessoa, deixar a cama dela próxima às janelas;
  • se for preciso comprar aquecedores elétricos, escolher as opções com regulagem por controle remoto.

Os cuidados com o usuário de cadeiras de rodas devem ser redobrados no inverno, especialmente os relacionados à circulação. Com algumas práticas simples, é possível manter a saúde e prevenir todos os problemas ocasionados com a chegada do frio.

Essas dicas foram úteis para você? Você ainda tem alguma dúvida? Comente aqui no nosso post!

Receba nossos conteúdos por e-mail e amplie seus horizontes!

É só cadastrar seu e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

    Foi muito útil as informações . Até os médicos se esquecem de nos orientar . Estou tendo problemas com a minha pressão arterial devido ao fato de ser cadeirante .

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.