Qualidade de vida na terceira idade: as principais questões sobre o assunto

Entre 2010 e 2050, a expectativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é de que a população de idosos vai triplicar no Brasil, atingindo o número de mais de 66 milhões de indivíduos. Em 2030, inclusive, o número de pessoas acima de 60 anos superará o de crianças brasileiras. Com isso, a preocupação com a qualidade de vida na terceira idade tende a ser um tema recorrente nos próximos anos.

Portanto, é perfeitamente possível conquistar bem-estar nessa fase, que é cada vez mais duradoura, com o crescimento da expectativa de vida. Para isso, reconhecer quais ações devem ser colocadas em prática é fundamental.

Tendo isso em vista, neste artigo, você vai conhecer tudo o que deve ser feito para atingir esse objetivo. Continue lendo e confira!

Qualidade de vida na terceira idade — sim, é possível

Diferentemente do que muita gente acha, é sim, viável ter qualidade de vida na terceira idade. Essa fase não é um momento de solidão, tristeza ou de doenças. Mesmo com as mudanças no corpo, é possível realizar ações que ajudam a conservar a saúde e a qualidade do cotidiano.

A grande vantagem de se preocupar com isso e de agir para garantir melhor saúde física e mental é a grande quantidade de benefícios que surgem. Entre os principais, estão:

Maior expectativa de vida

Os idosos que buscam ativamente por melhor qualidade de vida tendem a viver mais. Isso é verdadeiro tanto no que se refere à saúde física quanto à saúde psicológica. Ao agir para prevenir doenças e ao garantir as melhores condições para encarar essa fase, a pessoa tende a viver mais e melhor. Esse, inclusive, é um dos segredos de quem tem uma vida longa, saudável e feliz.

Maior felicidade e satisfação

Por falar nisso, outro aspecto positivo é o sentimento de felicidade. Quem tem maior qualidade de vida, encara o cotidiano de maneira mais leve, saudável e com resultados muito melhores.

Assim, os cuidados com o corpo e com a mente garantem uma visão positiva sobre a própria vida para quem está na terceira idade. Aproveitar essa fase, portanto, torna-se viável e gera boas lembranças e a sensação de felicidade, satisfação e tranquilidade.

Melhor capacidade física e psicológica

Preocupar-se com a qualidade de vida na terceira idade desde o princípio é uma forma de ampliar a capacidade do próprio organismo. Do ponto de vista físico, isso significa um aumento da saúde e menores possibilidades de sofrer com doenças e condições incapacitantes. Desse modo, é possível ter uma saúde robusta.

Já observando as áreas intelectual e psicológica, os cuidados geram menor propensão a transtornos — como a depressão, que afeta mais de 10% dos idosos brasileiros — e também a problemas como falta de memória ou doenças degenerativas cerebrais.

Envelhecimento com qualidade de vida

Conseguir esse resultado, entretanto, não é algo que acontece simplesmente por si só. Ele é reflexo de uma vida de cuidados e de atenção com a própria saúde e nunca é tarde para começar a cuidar de si mesmo. Quanto maior for a dedicação em se manter saudável e preparado para a terceira idade, melhores tendem a ser os resultados. Nesse sentido, algumas questões importantes são:

Entenda o que é a qualidade de vida

Antes de começar a agir, o importante é entender o que, de fato, significa ter qualidade de vida. Como visto, isso não é o mesmo que apenas viver mais, porque alguns anos extras sem cuidados com a saúde podem não ser fáceis de encarar.

Portanto, essa questão tem a ver com a máxima preservação das qualidades físicas e psicológicas, ainda que com o passar da idade. Porém, isso não deve ser sinônimo de lutar contra o tempo, e sim garantir que tudo possa ser aproveitado com as melhores condições de saúde.

Comece a se cuidar agora

A qualidade de vida é um efeito cumulativo, ou seja, uma sequência de bons hábitos é o que ajuda a criar essa condição. Portanto, o melhor é começar a se cuidar quanto antes. Quem não está na terceira idade deve fazer mudanças desde já no cotidiano, de modo a se preparar para o futuro. Inclusive, mesmo quem já ultrapassou os 60 anos precisa ter essa preocupação.

Quanto mais cedo os cuidados tiverem início, mais fácil é prevenir o desenvolvimento e até o surgimento de condições diversas. Além disso, a criação de hábitos de forma prolongada melhora a adaptação ao período.

Não se isole socialmente

Uma consequência muito comum da velhice, pode ser o isolamento social. Diante da nova condição, inclusive de saúde, muita gente deixa de lado os amigos e até a família. É frequente que, com a saída dos filhos de casa e até com as mudanças ou doenças de amigos, os idosos fiquem solitários.

Estudos já comprovaram que esse afastamento gera dificuldade em executar atividades do cotidiano e ainda podem causar prejuízos à saúde. Sendo assim, é fundamental não se afastar do convívio social, ficando perto de quem se ama para ter maior qualidade nesse período.

Inspire-se em quem vive bem

No lugar de se afastar socialmente, vale a pena inspirar-se em quem lida bem com a chegada da idade. Ter um modelo nesse sentido ajuda a garantir um envelhecimento saudável, já que o idoso sabe que é viável envelhecer com saúde.

Nesse caso, vale a pena criar grupos com outros indivíduos ativos na terceira idade e até buscar histórias de gente que, mesmo com a idade avançada, não abre mão de fazer as próprias atividades.

Adaptando-se ao envelhecimento

Muitas pessoas não conseguem ter tranquilidade na terceira idade justamente por não encararem o momento da maneira certa. Com medo de envelhecer ou querendo evitar que aconteça, boa parte delas deixa de aproveitar os momentos dessa fase ou de se preparar para ela.

O resultado não poderia ser outro além da falta de qualidade de vida. Portanto, o ideal é se adaptar à ideia desde já, de modo a prevenir que o futuro seja muito diferente do desejado. As melhores recomendações incluem:

Encare o passar do tempo do jeito certo

Envelhecer é completamente natural. Mesmo assim, a sociedade ocidental ainda vê esse processo de uma forma quase distorcida, como se ele tivesse que ser evitado. É isso que faz com que as pessoas procurem parecer sempre jovens ou que relutem em lidar com essa fase da vida.

Para ter qualidade de vida na terceira idade, no entanto, é preciso lidar com o envelhecimento da melhor maneira, encarando-o como um período em que podem ocorrer novas descobertas e vivências. Apesar de surgirem novos cuidados para esse momento, envelhecer não deve significar abrir mão da própria vida.

Não deixe de cuidar de si mesmo

A terceira idade exige atenção específica em vários sentidos, mas tudo isso é para o próprio bem-estar. Porém, muitos acreditam que, estando mais velhos, já não é necessário ter tanta atenção consigo. Em outros casos, há uma desmotivação tão grande que há a perda de interesse em cuidar da própria saúde.

Se isso acontecer, será praticamente impossível se adaptar ao envelhecimento, já que o resultado será menos disposição e mobilidade. Portanto, encare os cuidados como sendo absolutamente necessários e faça as adaptações para se manter sempre saudável.

Busque novas formas de aproveitar a vida

Outra ótima forma de se adaptar ao período é compreendendo que ficar mais velho não significa o fim da vida. As coisas mudam, mas ainda há como aproveitar novas experiências, descobrir novas motivações e até realizar sonhos.

Por isso, é fundamental buscar maneiras inéditas de curtir os dias, seja praticando novas atividades, seja fazendo aquilo de que gosta. A ideia é encontrar novos caminhos que mostrem que essa fase pode ser muito positiva.

Trabalhe a autoestima

Muitos idosos sofrem com problemas de baixa autoestima. Isso não diz respeito apenas à aparência e também acontece quanto ao próprio modo de vida. É comum, por exemplo, que pessoas mais velhas se sintam como um fardo ou que não têm valor.

Isso afeta a saúde psicológica e as condições físicas, gerando isolamento social e todas as consequências da falta de adaptação. Em vez disso, o idoso deve celebrar a própria experiência. Ao notar que os anos vividos geram uma visão de mundo muito valiosa, por exemplo, fica fácil se adaptar a esse período.

Dicas para ter mais qualidade de vida na terceira idade

Além de todas as recomendações já apresentadas, é muito importante ter alguns cuidados bem específicos com a saúde. Assim, conquistar a qualidade de vida na terceira idade se torna simples e acessível. A maioria dessas questões envolve uma mudança no estilo de vida em geral e há grandes benefícios em seguir essas orientações. Veja quais são as mais relevantes:

Tenha uma alimentação saudável

O que vai ao prato gera grandes impactos na saúde e no bem-estar, especialmente de quem é mais velho. Por isso, uma forma de preservar a saúde na terceira idade é tendo uma alimentação saudável e balanceada.

É importante, por exemplo, reduzir o consumo de sódio, de açúcar e de gorduras consideradas ruins para o organismo. Carne vermelha, alimentos industrializados, doces e farinhas devem ser substituídos por versões magras, integrais e naturais. Essa é uma forma de evitar o surgimento ou agravamento de condições como hipertensão, diabetes e problemas cardiovasculares.

Também é fundamental investir em frutas, verduras e legumes que sejam repletos de nutrientes, vitaminas e sais minerais. Dessa forma, é possível prevenir quadros de desnutrição, que são muito comuns nessa fase. Para se ter uma ideia, uma pesquisa demonstrou que 54,7% dos idosos que deram entrada em um hospital estavam desnutridos.

Vale ressaltar que, portanto, o acompanhamento de um profissional nutricionista pode se tornar de grande importância para manter uma rotina alimentar de qualidade.

Pratique atividades físicas

O sedentarismo é um grande vilão para a saúde de qualquer pessoa, mas especialmente dos idosos. Afinal, além de aumentar os riscos de doenças crônicas, ele ainda pode prejudicar a mobilidade. Sendo assim, é fundamental praticar atividades físicas.

A caminhada, a hidroginástica e até a musculação são boas opções, dependendo da indicação médica. Além de tudo, é uma forma de socializar, se manter em movimento e controlar o peso dentro de parâmetros normais. Ao unir alimentação e exercícios para terceira idade, o corpo se torna mais saudável e protegido.

Uma ótima alternativa para a realização dessas atividades, é ter o acompanhamento de um profissional da área de ed. física.

Mantenha hábitos saudáveis

Porém, não adianta cuidar corretamente da alimentação e se movimentar se o idoso tiver hábitos ruins. O tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas podem causar problemas em sistemas variados e devem ser evitados.

Além disso, é importante tomar sol diariamente para metabolizar vitamina D, mas sempre com proteção solar. A hidratação, por sua vez, é indispensável para manter o corpo funcionando bem. Dessa forma, esses hábitos não podem ser deixados de lado, já que impactam diretamente a qualidade de vida na terceira idade.

Cuide da saúde mental e psicológica

Essas questões prévias ajudam a cuidar da saúde física, mas o cérebro também exige atenção. Treinar a memória, como com jogos, é importante para fortalecer as ligações neurais e prevenir a degeneração. É fundamental evitar ou tratar quadros de depressão ou ansiedade, por exemplo. Estando sob controle, eles permitem que o cuidado com a saúde seja mais fácil.

Outra questão é o estresse. Uma pesquisa, inclusive, mostrou que 71% das idosas pesquisadas se disseram estressadas, enquanto 39% dos homens afirmaram o mesmo. Esse quadro afeta até a qualidade do sono e prejudica a saúde, devendo, portanto, ser evitado. Buscar atividades relaxantes e hobbies em geral é de grande ajuda e auxilia na conquista de uma vida melhor.

Vida social

Já que o isolamento social é totalmente indesejável nessa fase da vida, é fundamental buscar maneiras de se manter sempre por perto de quem se ama. Ao garantir uma vida social ativa, é viável afastar os efeitos da solidão e chegar a um resultado muito melhor de qualidade de vida.

A tarefa é menos complicada do que parece e ao consolidar bons hábitos, logo, os resultados são sentidos. As recomendações principais são:

Passe tempo com a família

Mesmo que os familiares, como filhos e netos, não estejam tão próximos quanto antes, é fundamental passar tempo de qualidade com a família. O fortalecimento desse relacionamento gera ótimos efeitos na saúde, além de auxiliar a questão psicológica. O ideal, portanto, é garantir reuniões periódicas com a família ou, no mínimo, um contato por telefone. Assim, a solidão passa longe.

Mantenha o contato com amigos

Os amigos de longa data não devem ser esquecidos. Eles também estão na terceira idade e, por isso, precisam igualmente de companhia e convívio social. Logo, vale a pena se encontrar frequentemente com as pessoas queridas. Uma visita na casa do outro, um passeio na rua ou até uma conversa com a ajuda da internet auxiliam no fortalecimento dos laços sociais.

Busque novas amizades

Ao mesmo tempo, vale a pena buscar novas amizades. Conhecer gente nova traz uma perspectiva única para essa fase da vida, além de ajudar a manter o interesse social sempre ativo. O idoso pode recorrer a grupos de atividades voltadas para a terceira idade ou até começar a se relacionar com os conhecidos de amigos e familiares. A ideia é manter sempre viva essa ação de conhecer pessoas e criar relacionamentos.

Viva novas experiências sociais

O que também não deve ser ignorado é o poder que as novas experiências possuem na vida de quem está na terceira idade. Descobrir novas sensações, ter memórias inéditas e encarar novos desafios é um grande motivador e ajuda a aproximar os laços sociais. Para que isso seja possível, é fundamental frequentar novos ambientes e conviver com pessoas diversas, de modo a encontrar novas possibilidades para vivenciar.

Considerações dos profissionais da saúde

Os profissionais de saúde — tanto os médicos e enfermeiros como os cuidadores de idosos — já possuem uma perspectiva diferente da terceira idade. Hoje, eles atuam de modo a fortalecer a ideia de que a vida não acabou e que é fundamental objetivar qualidade, saúde e bem-estar.

Por isso, é fundamental conhecer e levar em conta as considerações de quem trabalha nessa área. Para tanto, algumas das questões relevantes incluem:

Busque profissionais especializados

Ainda que um clínico geral ou um cardiologista ajudem na atenção médica, especialmente quanto às condições crônicas de saúde, é necessário buscar o apoio de especialistas. Um geriatra, por exemplo, é muito capacitado para identificar doenças, tratamentos e medidas que devem ser tomadas nessa fase da vida. Assim, é indispensável buscar pessoas capacitadas para o atendimento de saúde, de modo a conquistar melhores efeitos.

Prefira um atendimento humanizado

É direito do idoso ser tratado corretamente, ainda mais dentro de um consultório ou clínica. Portanto, essa questão não deve ser negligenciada, já que o que está em jogo é justamente a sua saúde.

Além de olhar para as especialidades e características do profissional, é preciso ter atenção redobrada com a humanização do atendimento. Ele deve ser compreensivo em relação às dificuldades e oportunidades da terceira idade, de modo a não prejudicar a autoestima e nem deixar de cuidar do bem-estar.

Faça um acompanhamento adequado

Ao mesmo tempo, não é eficiente fazer consultas esparsas ou somente quando surge um problema de saúde. Agir de maneira reativa só prejudica a conquista de qualidade de vida na terceira idade, então, é fundamental pensar em prevenção, acima de tudo.

Depois de selecionar um profissional, o ideal é realizar um acompanhamento periódico, com a realização de consultas e exames para conferir como anda a saúde. Desse jeito, qualquer problema pode ser identificado e tratado logo no começo, evitando prejuízos maiores.

Nunca se automedique

É consenso entre todos os profissionais de saúde: a automedicação é altamente perigosa e, por isso, não deve ser praticada em nenhuma hipótese. Nessa fase da vida, a saúde pode ficar fragilizada e, portanto, usar o medicamento errado pode ter graves consequências.

Além disso, a interação medicamentosa pode procurar reações adversas e transformar o que era uma pequena questão em um grande problema. Na hora de consumir qualquer medicamento ou fazer um tratamento, é fundamental consultar um médico especializado para ter total segurança no processo.

Mobilidade

Um dos maiores receios entre quem envelhece é a diminuição da mobilidade. A ideia de perder total ou parcialmente alguns dos movimentos e de passar a depender de alguém está entre os principais medos quando se fala na terceira idade.

Entretanto, há ações que podem evitar esse quadro ou, ao menos, reduzir os seus efeitos. Dessa maneira, não é necessário haver o comprometimento da qualidade de vida por causa desse fator. As dicas relevantes nesse sentido incluem:

Previna a perda de mobilidade

Já que a prevenção é sempre o melhor remédio, em primeiro lugar, as ações devem ter como foco evitar a perda de mobilidade. É necessário, por exemplo, comer bem e se manter ativo, de modo a afastar problemas trazidos pela obesidade ou por doenças crônicas, como a neuropatia diabética.

Também é preciso reforçar o cuidado com os nutrientes, prevenindo a osteoporose, artrite e artrose. Já as consultas com especialistas, como ortopedistas, garantem que as melhores ações sejam tomadas na proteção dos diferentes sistemas responsáveis pelos movimentos.

Encare as transformações do corpo do jeito certo

É importante ressaltar que nem mesmo os melhores cuidados farão com que a coluna ou os joelhos de uma pessoa com 70 anos se pareçam com os de alguém que tem 20 anos, por exemplo. É importante compreender que, nessa fase da vida, há mudanças involuntárias.

Os movimentos ficam mais lentos e há uma perda gradual e natural da elasticidade e alongamento. Ao agir de maneira preventiva e encarar as transformações adequadamente, fica fácil identificar o que é um problema do tipo e o que é apenas fruto da idade.

Use os recursos certos

Contudo, caso surjam problemas, esse não é o fim da linha. Um idoso com mobilidade reduzida não necessariamente dependerá para sempre de alguém. Para tanto, ele deve buscar opções que ajudem a ampliar a mobilidade.

Bengalas, andadores e até cadeiras de rodas motorizadas ou scooters elétricos são ótimas opções para permitir um deslocamento sem que seja preciso depender de alguém. Com a busca de soluções para driblar essa dificuldade, é mais fácil manter-se ativo e com independência.

Busque adaptações no cotidiano

Além de tudo, vale a pena buscar novas formas de empregar o que já existe na rotina. Criar uma rampa na frente de casa, por exemplo, ajuda no deslocamento de uma cadeira de rodas motorizada e do scooter. Mudar a disposição dos móveis amplia o espaço disponível, aumentando o conforto. Já usar barras fixas em locais específicos, como no banheiro, é um cuidado necessário para se evitar acidentes.

As luzes de emergência são opções importantes para serem utilizadas, principalmente quando há queda ou falta de luz no período da noite. Além disso, deixar os tapetes de lado ajuda na mobilidade. Eles podem ser bonitos e enfeitar o ambiente, porém, podem se tornar grandes armadilhas por serem fáceis de tropeçar.

Com essas pequenas modificações, é possível garantir o máximo de satisfação em encarar o cotidiano. Diante dessas orientações, é viável consolidar a qualidade de vida na terceira idade. Assim, essa fase pode ser aproveitada do jeito certo, garantindo o total bem-estar para o idoso e suas pessoas queridas.

Quer mais dicas sobre a terceira idade, saúde e mobilidade? Então, assine nossa newsletter e não perca nenhuma postagem!


Deixe um comentário sobre este conteúdo. O que você achou?