História de Sucesso: Marco Zalamena

Marco Zalamena tem 52 anos e se tornou cliente Freedom em 1999. Mas em 2002, sua relação com a empresa passou a ser de empreendedor. Com o desejo de proporcionar mobilidade, também, para outras pessoas, Marco fundou a Roda Viva. Essa história é sobre alcançar a mobilidade e, mais do que isso, proporcionar esse alcance para outras pessoas.

História de Marco

Marco Zalamena mora em Taboão da Serra, na grande São Paulo. Aos 30 e poucos anos de idade, sentiu a necessidade de utilizar cadeira de rodas para se locomover. Na adolescência foi diagnosticado com Distrofia Muscular do tipo Cinturas. Em uma conversa por telefone, nos contou como foi a adaptação para a nova realidade e como sua relação com a Freedom o ajudou a repassar mobilidade para outras pessoas com deficiência física.

Com 14 anos de idade, Marco foi diagnosticado com Distrofia Muscular. Durante o decorrer do seu crescimento, teve uma vida normal, porém, com algumas dificuldades. “Dos 14 anos até os 19 anos, eu tive uma vida normal. Porém, com algumas dificuldades para caminhar, subir escadas, tomava alguns tombos. Esse foi o princípio de Distrofia Muscular que começou a se refletir no meu dia a dia”, relata Marco.

Distrofia muscular engloba um grupo de doenças genéticas na qual os músculos que controlam o movimento, enfraquecem progressivamente. A do tipo cinturas é mais comum na adolescência e na fase adulta, tendo como características principais a fraqueza e a degeneração próximas dos músculos das cinturas escapular e pélvica, se manifestando com fraqueza nas pernas, dificuldade para subir escadas e levantar de cadeiras. Os sinais de cada tipo de distrofia muscular são diversificados e podem se manifestar em diferentes idades, assim como o tempo e grau de progressão do quadro clínico.

Marco prosseguiu com sua vida normalmente. Mas por volta dos 30 anos de idade, sentiu a necessidade de utilizar cadeira de rodas para se locomover, sem necessitar da ajuda de outras pessoas. “Pela própria dificuldade de locomoção, mesmo para passeios, era muito complicado. Apesar de estar ainda caminhando, eu tive dificuldade para andar, por exemplo, em um corredor de shopping. Acaba sendo mais um sacrifício do que um próprio passeio”, explica Marco.

Por conta da evolução do seu caso e das dificuldades que foram surgindo ao decorrer do caminho, Marco passa a procurar por equipamentos que pudessem lhe auxiliar melhor à nova realidade. “Foi quando eu comecei a procurar cadeira de rodas e acabei encontrando a cadeira que eu precisava”, conta Marco.

A procura pela cadeira de rodas

Marco foi atrás de produtos que pudessem lhe oferecer o alcance da mobilidade novamente. Buscas pela internet, contato com empresas e experimentação em lojas, fizeram-no escolher a melhor opção que se encaixava ao seu caso e ao seu dia a dia. “Eu tinha dificuldade de caminhar, de ficar em pé. Foi quando encontrei a Freedom com a cadeira de rodas Stand Up, que supria duas necessidades, uma de andar e a outra de ficar em pé”, conta Marco.

A cadeira de rodas Stand Up é motorizada e, além de suprir a mobilidade facilitada de ir e vir, possibilita a função que permite ao usuário ficar em pé. Para Marco, era essa liberdade que lhe faltava. “Experimentei a cadeira justamente em um shopping, que me deu uma liberdade de 100%. De poder andar sozinho, sem ter a necessidade de ter alguém junto comigo ou eu estar precisando me apoiar”, relata Marco.

A partir daí, muita coisa mudou e facilitou para o dia a dia de Marco. Ele pode se locomover com independência e aproveitar sem se preocupar com isso. “A partir disso, meus passeios passaram a ser passeios mesmo, e não dificuldade. Comecei a curtir mais”, conta Marco.

Gerando mobilidade

Marco queria mais. Não bastava apenas conseguir a tão mobilidade e independência desejada. Ele queria que outras pessoas com deficiência física, pudessem sentir a mesma liberdade que ele. “Tamanha foi a minha liberdade, gostei tanto, que acabei entrando em contato com a Freedom para abrir a Roda Viva, com o intuito de me ajudar e de ajudar o maior número de pessoas”, conta Marco.

A Roda Viva surgiu em 2002, quando Marco já utilizava a cadeira de rodas motorizada há três anos. Antes disso, ele foi analista programador e trabalhava com programação de computadores. Mas com o decorrer da sua trajetória, percebeu que precisava de outros projetos que lhe dessem mais satisfação e, ao mesmo tempo, pudessem ajudar ao próximo.

Marco queria compartilhar com outras pessoas que, assim como ele, precisam de tecnologias assistivas, que alcançar novamente a autonomia era possível. “Daí pra frente, eu comecei a fazer várias coisas que a cadeira me trouxe de volta. A liberdade, poder ficar em pé sozinho, poder andar sozinho por onde eu quiser e na hora que eu quiser. E passar essa liberdade para outras pessoas, que não conheciam os produtos da Freedom”, relata Marco.

A partir da parceria com a Freedom, a Roda Viva surge. Primeiramente, oferecia serviços de manutenção como assistência técnica. Depois passou a trabalhar com venda de cadeiras de rodas e locação de produtos.

A Roda Viva emprega dez famílias. Possui mais de 4.000 clientes entre pessoas física e jurídica. Atua em diversos shoppings que locam e disponibilizam cadeira de rodas para clientes. Sempre trabalhando e pensando na melhor adaptação em produtos para pessoas com deficiência física.

Com muito trabalho e esforço, a Roda Viva alcançou e, continua alcançando, seu objetivo. Prioriza o trabalho com muita transparência com a empresa Freedom, procurando atender necessidades específicas dos usuários. “A Roda Viva, hoje, é compartilhadora desses momentos com o cliente. Compartilha indicando o melhor produto”, afirma Marco.

O hoje e o futuro

“Eu tenho a possibilidade de ir num banco, almoçar fora, tudo isso através da cadeira”

Marco é grande. Não só como profissional, mas como ser humano. Ele faz parte do seleto grupo de pessoas que se preocupam com o próximo, e querem gerar mudança a outras pessoas. Tanto para pessoas com deficiência, como gerando oportunidades para quem quer trabalhar.

Ele casou, tem duas filhas e três netos. Hoje em dia, Marco comanda a Roda Viva e aproveita o tempo em família, curtindo passeios e aproveitando a vida. “Não saio tanto quanto gostaria, por conta de um veículo adaptado. Eu tinha um, mas acabei vendendo. Mas na medida do possível, a gente sai por perto e eu tenho toda a liberdade”, conta Marco.

Para o futuro, ele pensa em crescer ainda mais e, com isso, desenvolver novos produtos que possam proporcionar mais mobilidade. “Pensando em novos produtos, fazer a Roda Viva ficar mais estruturada ainda. Na vida pessoal, é criar alguns mecanismos para que eu possa sair um pouco mais para me divertir”, finaliza Marco.


Deixe um comentário sobre este conteúdo. O que você achou?